Costurando Contos Narrados VAI brotar – e voar!

 

É com muita felicidades que dizemos: FOMOS SELECIONADOS! Sim, o mínimo diário agora é parceiro da Prefeitura Municipal de São Paulo, pelo Programa VAI – SMC, para desenvolver o projeto COSTURANDO CONTOS NARRADOS – uma caixa de fábulas.

Animação grande em perceber que não temos um ano de trabalho e conseguimos nosso primeiro incentivo. O mínimo diário surgiu de quando eu, Carlos, resolvi fazer um livro de anotações para mim, caí em alguns vídeos de encadernação geniais da SeaLemon (só em inglês =/) e me apaixonei mais e mais por isso.

Daí uma inquietação que já existia só aumentou, o livro é sagrado por quê? Quem disse que o livro não pode ser riscado, rasurado, reescrito, redito? Quem disse que aquilo escrito é a verdade, ou sábio, ou o que for? Dessa inquietação, eu e o Paulo nos juntamos para tentar elaborar alguns trabalhos. O Paulo é um desenhista fantástico e faz as capas de todos os livros desenhados que fazemos.

Nesse momento uma amiga, Raquel, iria viajar e nos pediu um diário de viagem – o N°2. Não pensávamos exatamente em vender nossos livros, mas aos poucos isso se mostrou legal para podermos aprender, compartilhar e ter verba pra investir no projeto.

Iniciamos em algum momento desse trabalho a confecção de uma história chamada A menina e a Árvore, o grande gérmen do projeto Costurando Contos Narrados. Um história que dialogasse entre vários meios e não tivesse exatamente um caminho fixo. Ela é feita por imagem, por texto, por vazios e pela construção do livro – etapa que finalmente poderemos propor. Foi nessa hora que a Carol somou com a gente e participou para que pudéssemos expor pela primeira vez o projeto.

primeiro livro impresso

Agora o que era uma única história já serão 4 fábulas costuradas artesanalmente. E junto somaremos um quinto livro vazio =). E melhor ainda, distribuiremos de graça 50 de nossos livros para bibliotecas públicas e/ou comunitárias de São Paulo.

Como disse o grande Itamar Assumpção “Cultura sabe que existem milhões de outras culturas”.

Somos gratos pelos encontros, pelas trocas e agora pelo compromisso.

O mínimo diário aos poucos ganha a cara e as asas que tanto sonha =)

Carlos Bressan – artesão e artista do mínimo diário

Deixe uma resposta