Um livro é uma sequência de espaços

Foto da exposição O desenho como instrumento
Foto da exposição O desenho como instrumento
“O livro é uma sequência de espaços…”

O Sesc Pompeia fez em 2014 uma exposição chamada O desenho como instrumento. A exposição trazia diversos livros de artistas, e junto a eles também estavam reflexões sobre o livro como objeto. Não tenho mais anotado de quem é o livro nessa foto, contudo o grande motivo da imagem é a frase de Ulises Carrión: um livro é uma sequência de espaços.

Uma das grandes curiosidades do mínimo diário é o porquê de usarmos a palavra caderno para designar um livro não escrito. Afinal, o caderno é só uma parte de um livro, o conjunto de quatro folhos dobradas em sua origem. E se observarmos, o mesmo ocorre num livro escrito – o texto é apenas parte do livro, não? Então, por que o conjunto de folhas vazias costuradas e encadernadas ficou com o nome de apenas uma parte – o caderno -, e o conjunto de folhas escritas ou desenhadas ficou com o nome do objeto-livro como um todo?

Quando leio a frase de Carrión percebo mais claramente essa dimensão irmã dos dois livros – preenchido ou vazio: o livro preenchido tem ali em suas folhas a marca de alguém, os seus registros e compartilhados com o outro, espaço a espaço o livro expõem uma forma de diálogo; já o livro vazio em sua folhas nos envia para um abismo de possibilidades, folha a folha vemos como é possível criar um mundo seja um mundo lógico ou não.

O livro se impõem como esse objeto de espaços e é a permissão desses espaços que permite seu trabalho. Seja realizar um trabalho gráfico e/ou editorial, como ser um espaço de ausências, rupturas e reflexões. Gosto muito de rever meus livros cheio de anotações e riscos e espaços – páginas puladas, uma rasgada… infinidades. O caderno-livro se mostra como seu irmão livro-editado, sendo um objeto permanente e não mais um ser descartável e sem conteúdo.

Dessa forma, o livro tem em si essas dimensões talvez sagradas: é o detentor de espaços de criação e de permanência. E vive nesse misto de criador e mantenedor, e em sua sequência de espaços o livro se permite.

Inventemos meios!

Para ver outras fotos da exposição é só conferir em nosso flickr: https://www.flickr.com/photos/minimodiario/sets/72157648801343233/

2 Replies to “Um livro é uma sequência de espaços

    1. Eu também 😉

      Mas agora muito mais do incentivar a leitura, quero incentivar a escrita. Assisti um vídeo que aumentou a minha inquietação sobre como precisamos riscar mais. Será a próxima publicação, junto com os novos livros que estamos preparando. Beijo!

Deixe uma resposta